Tiras de Armandinho: censura nunca mais!

Compartilhe este conteúdo

Sindinorte presta solidariedade a Alexandre Beck pelos ataques sofridos  e repudia a violência e a censura que a cada dia mais se assemelha à Ditadura de 1964.

Não podemos ignorar os ataques sofridos por Alexandre Beck e nos solidarizamos com ele, repudiando a violência e a censura que visa calar todos aqueles que se opõem a um sistema que a cada dia mais se assemelha à Ditadura de 1964. Na última semana, duas tiras de Armandinho sofreram ataques vindos de várias frentes.

Uma mostrava uma criança que não queria correr próxima a um agente de segurança e trouxe uma nota de protesto da Brigada Militar-RS, seguida de diversas mensagens com ofensas e ameaças. Dois dias depois, uma tira em que uma personagem externava preocupação com o atendimento de saúde à população mais carente gerou nota de repúdio do Conselho Regional de Medicina-RS.

Tal nota – que seguiu o embalo da primeira, conforme registrado – reporta “um ataque sem qualquer fundamento” e “de forma injusta e cruel”, enquanto o termo “denegrindo” soa quase como confissão de culpa.

Segundo Alexandre que criou a personagem em Santa Catarina para o Diário Catarinense em 2010, “fotos minhas foram compartilhadas em páginas de grupos e pessoas com porte de armas e de ódio, legitimadas pela nota oficial. E eu soube o que é ter medo de quem deveria nos proteger”.

Mas “as dezenas de mensagens com ofensas e ameaças que recebi, porém, foram largamente suplantadas por mensagens de apoio. Inclusive de militares e médicos, que souberam compreender o que foi dito, sem se sentirem “atacados” ou “ofendidos”. Que acreditam que podemos aprender com as críticas, desde que exista humildade. Que podemos pensar de forma menos mesquinha, menos egoísta. Que podemos pensar enquanto humanidade,” conclui o cartunista.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *