Tribuna Livre: Fim do “socialismo” no Brasil significa a destruição das políticas sociais

Compartilhe este conteúdo

Por José Álvaro Cardoso, economista

O governo Bolsonaro acena com a implantação de uma base militar dos Estados Unidos no Brasil, o que já se esperava, dado o grau de servilismo ao Império, por parte da equipe que assumiu o governo federal. A proposta não é consensual no interior do governo, que, mesmo sendo um dos mais entreguistas da história, é improvisado e atravessado por grandes contradições. Alguns oficiais de alto escalão das Forças Armadas, por exemplo, já se manifestaram com reservas em relação ao problema, observando que a medida não é coerente com a política de defesa do país, além de ser desnecessária para o momento, já que o Brasil não se encontra sob ameaça militar.

Temer já vinha negociando a concessão para os EUA, do Centro de Lançamento de Alcântara, da Força Aérea, no estado do Maranhão, tido como um dos melhores pontos de lançamento de foguetes e satélites do mundo. Pelo que se divulgou na imprensa, as condições dos norte-americanos, para uso da base, são de fato, imperiais. Querem alugar a base sem nenhum controle do governo brasileiro, o que significaria na prática, que o local seria tratado como território dos EUA. Apesar das contradições que suscita, esse tipo de concessão ao Império é típico desse governo, e deveremos assistir muitos atos semelhantes. Se a sociedade não reagir, inclusive, deveremos assistir ações ainda mais graves.

Ações contra a soberania nacional representam a outra face de ações contra as condições de vida da população. Não é por nenhum acaso que, ao mesmo tempo, em que acena com a entrega da Base de Alcântara para os EUA, o governo afirma que irá acabar com o “socialismo” no Brasil. Essa frase não deve ser vista apenas como uma afirmação ridícula (que é, de fato), mas deve ser corretamente interpretada: fim do socialismo significa fim das políticas sociais, fruto de anos de lutas, como a Seguridade Social (que abrange SUS, Assistência Social e Previdência Social). Políticas como a de combate a fome, que conseguiu o mais importante avanço social do país nos últimos 50 anos (tirando o Brasil do Mapa da Fome, da ONU) são consideradas “socialismo” e, portanto, deverão ser esvaziadas, conduzindo o país de volta para o famigerado Mapa. É bastante sintomático, aliás, que uma das primeiras medidas de Bolsonaro tenha sido a extinção do Conselho de Segurança Alimentar.

Paulo Guedes e sua equipe têm uma missão, sobre a qual não disfarçam, que é aprofundar as ações decorrentes do golpe de Estado em andamento no Brasil, no referente ao fim da soberania e dos direitos sociais e trabalhistas. Irão destruir instrumentos públicos de intervenção estratégica, que respondem pelo fato de que, entre 1950 e 1980 o Brasil foi o país que mais fez crescer o seu PIB no mundo. Pretendem entregar o país para o sistema financeiro e grandes grupos multinacionais, que não têm nenhum compromisso com projeto nacional o bem-estar da população. A política geral, é de desmonte de tudo que é público e sabem que precisam aproveitar os primeiros meses de governo, quando a população ainda estará hipnotizada por todo o processo de guerra híbrida do qual é vítima.

Entrega das riquezas nacionais e da soberania, e destruição de direitos, são duas faces da mesma moeda. Por exemplo, o Orçamento da União, havia estipulado que o salário mínimo de 2019 seria de R$ 1.006, mas Bolsonaro assinou um decreto estipulando o orçamento em R$ 998, R$ 8 a menos. Essa diferença, aparentemente insignificante, que individualmente representa quase nada, significa uma enorme redução da massa salarial, já que no Brasil 48 milhões de pessoas têm sua renda referenciada no salário mínimo nacional, segundo estudo recente do DIEESE. Retirar R$ 8 reais do salário mínimo significa tirar de circulação (para aposentados, trabalhadores que recebem 1 ou 2 salários mínimos, empregadas domésticas, etc.) bilhões de reais em um ano.

De um lado enfraquecem o Estado nacional, entregando as riquezas nacionais, destruindo as políticas de soberania energética, desmontando a Petrobrás e entregando o Pré-sal, negociando as reservas estratégicas de água para as multinacionais (incluindo o Aquífero Guarani) e reduzindo o orçamento em ciência e tecnologia. De outro lado, destroem mercado interno, desmontam as políticas de segurança alimentar fazendo aumentar a fome, congelaram gastos primários (como educação e saúde) por 20 anos, inviabilizam as empresas nacionais (inclusive do setor privado), liquidaram as leis de proteção ao trabalho, estão destruindo o que sobrou da indústria e condenando o Brasil a ser um eterno fornecedor de matérias primas para o mundo desenvolvido. Lutar contra tudo isso não é uma escolha, mas uma imposição da realidade e uma questão de sobrevivência.

A política geral, é de desmonte de tudo que é público e sabem que precisam aproveitar os primeiros meses de governo, quando a população ainda estará hipnotizada por todo o processo de guerra híbrida do qual é vítima.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *