Setor elétrico: política de Bolsonaro gerou suposta “crise hídrica”

Compartilhe este conteúdo

Estudo do MAB revela que em 2020 as barragens verteram muita água sem gerar energia

Diferentes cidades do Brasil tiveram nesta segunda-feira (27) protestos contra o aumento da tarifa de energia elétrica para a população. Em alguns casos, a conta de luz de famílias de periferias do país chegou a R$ 1.000 e o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) já recebeu mais de 40 mil reclamações de usuários.

De acordo com artigo recente, publicado pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) e os agentes empresariais que controlam o setor elétrico nacional mentem sobre as razões da crise atual. Segundo o MAB, o volume de água que entrou nos reservatórios das usinas hidrelétricas no último ano não foi transformado em energia.

Os dados do Operador Nacional do Sistema (ONS) revelam que o volume de energia produzida por hidrelétricas ficou em 47.300 MW médios, ou seja, 4.250 MW médios abaixo da quantidade de água que entrou nos reservatórios no mesmo período, o equivalente a 51.550 MW, ou seja, é como se uma usina de Belo Monte inteira deixasse de gerar energia.

O “discurso da crise hídrica” esconderia o fato de que os reservatórios foram esvaziados em 2020 quando o consumo nacional de eletricidade diminuiu uma média de 10%. Com o aumento da demanda em 2021 e diante da escassez da energia, a tarifa explodiu. “Toda essa água vertida poderia ter sido armazenada ou transformada em energia, sem aumento dos custos. Mas não foi o que aconteceu. Os donos das hidrelétricas não perderam dinheiro com isso, pois o chamado déficit hídrico é cobrado integralmente nas contas de luz da população”, apontou o estudo realizado pelo MAB.

O governo autorizou diversos reajustes que já ultrapassam 50% de aumento nas Bandeiras Tarifárias de Energia Elétrica. Essas medidas obrigarão o povo a pagar R$ 14,20 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumido ao mês. Por hora essa cobrança valerá até abril de 2022″. Esse valor arrecadado obviamente será destinado para as próprias empresas do setor elétrico, e para subsidiar os grandes consumidores (grandes empresas que consomem muita energia). Isso pode ser classificado como roubo.

Obriga o povo trabalhador a pagar caro para passar o dinheiro para as próprias empresas de energia e subsidiar as grandes indústrias que já lucram muito. Enquanto isso, a Capitalização da Eletrobras está andando 100% no prazo, é o que dizem os meios de comunicação ao comentar o cronograma do Governo.

A Eletrobras já contratou os Bancos para somar aos esforços de um consórcio que já trabalha com o BNDES para estruturar o modelo da desestatização. Essa grande crise no setor, que podemos chamar de caos, na verdade é fruto de própria política do governo para criar um ambiente de escassez de água e pouca geração de energia hidroelétrica.

Com isso, justificando a explosão nas tarifas, penalizando o povo que paga e não tem escolha de qual energia quer comprar e enchendo de dinheiro os grandes empresários que atuam no setor de energia e grandes industrias que consomem energia subsidiada. Não é o povo que deveria pagar essa conta.

O povo brasileiro é vítima da pilhagem das grandes empresas, do capital financeiro e do seu próprio governo. É urgente mudar a política vigente no setor elétrico. Só com muita mobilização popular será possível, isso passa pela derrota de Bolsonaro e sua política econômica.

Toda essa água vertida poderia ter sido armazenada ou transformada em energia, sem aumento dos custos. Mas não foi o que aconteceu. Os donos das hidrelétricas não perderam dinheiro com isso, pois o chamado déficit hídrico é cobrado integralmente nas contas de luz da população, apontou o estudo realizado pelo MAB.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *