Quatro anos de golpe: contra o povo, contra a nação, contra o trabalho

Compartilhe este conteúdo

Por José Álvaro Cardoso, economista e Supervisor Técnico do Dieese em Santa Catarina

” O Brasil não é uma terra aberta onde construiremos coisas para as pessoas. Temos que desconstruir muito ” (Jair Bolsonaro, em 18 de março de 2019, na sede da Agência de Inteligência Centro-Americana – CIA, em Washington). O Senado Federal aprovou a admissibilidade da queixa que solicitou a demissão da presidente da República, Dilma Roussef por um crime de responsabilidade em 12 de maio de 2016. O processo tinha começado antes na Câmara Federal.

Mas se tomarmos essa data como um marco, então já temos quase quatro anos do golpe. É evidente que outros períodos podem ser tomados como referência, pois o golpe começou a articular-se, pelo menos em 2012. As indicações de que algo estava mudando no continente eram muito fortes. Nessa data, o golpe em Honduras (2009) e Paraguai (2012) já tinha acontecido. O imperialismo americano estava enviando sinais claros de que já não toleraria nenhum governo progressista na região.

É necessário compreender os fundamentos do golpe, não podemos reagir, como se fosse uma surpresa, a cada novo ataque do governo fascista contra os direitos e a soberania. É importante compreender o pano em que se desenvolve o processo, caso contrário, só nos deixarão em reação ao último mal contra a população, por aqueles no poder.

A ousadia do golpe que aplicaram no Brasil (e em vários países do subcontinente latino-Americano) mostra que os golpistas não entregarão o poder de um beijo à população nos próximos anos. Bolsonaro é uma continuidade, um aprofundamento do golpe. Apoiou o golpe de estado, foi apoiado pelo golpe de estado, em toda a direita, e principalmente apoia e aprofunda o programa de guerra contra as pessoas o tempo todo.

O que os golpistas fizeram em quase quatro anos não foi brincadeira:

1. Eles enfraqueceram o estado nacional de muitas maneiras (financeira, política, diplomática, militarmente). Como é um golpe coordenado pela burguesia mais forte do planeta, contra um país subdesenvolvido, a ideia é desmantelar qualquer desejo que os brasileiros possam ter de ser uma nação soberana;

2. Estão entregando riqueza nacional no estrangeiro: o principal objetivo econômico do golpe era o petróleo (que é “o golpe dentro do golpe”), mas eles estão vigiando o Amazonas, metais de todos os tipos, água, grafeno, niobio, etc. . E em riqueza antinatural, empresas estaduais;

3. Estão destruindo as políticas de segurança alimentar e fazendo com que a fome aumente exponencialmente no Brasil. Em apenas 3 anos depois de abandonar o Mapa da Fome da ONU (2014), o Brasil voltou ao infame Mapa. O fato de um país com recursos abundantes como o Brasil ter uma porção significativa da população que morre de fome, revela o rosto cruel e atrasada da burguesia brasileira;

4. Puseram fim às políticas de soberania energética que estavam sendo muito trabalhadas. O que eles estão fazendo com Petrobras comprometerá a segurança energética do país e está envolvendo uma dependência externa dos combustíveis. Eles pretendem entregar todo o sistema Eletrobrás;

5. Eles estão tentando privatizar o máximo possível. Venderam Embraer a um preço de pechincha, que se tornou uma divisão da Boeing. Apesar de ter o poder para fazê-lo, o governo golpista não vetou o acordo. Eles tencionam privatizar tudo o que for possível e rapidamente. O sistema Eletrobrás, Correios, Banco do Brasil, CEF estão na mira. A privatização dos correios está prevista para o final de 2021 e pode levar a despedimento de 40,000 pessoas. Se a correlação de forças permitir, também serão entregues à Petrobras. Existem 119 ativos federais listados para serem vendidos a preços de banana;

6. Querem entregar reservas estratégicas de água a multinacionais, incluindo o aquífero Guarani. Temer até teve reuniões com as multinacionais que controlam a água no mundo. Aprovaram uma lei em Dezembro / 19 que permite o acesso às fontes de água por companhias estrangeiras;

7. Reduziu drasticamente o orçamento em ciência e tecnologia. Em 2013, o orçamento do setor foi R $ 8,5 bilhões. Em 2019 foi de 4,4 bilhões, mas cortaram 42 %, ou seja, reduziu para R $ 2,6 bilhões;

8. Congelou as despesas primárias (como educação e saúde) por 20 anos, PEC 95, a chamada Emenda da Morte, que nenhum dos países que perderam guerras aceitaram assinar. Só em 2019, o orçamento de saúde perdeu R $ 19 bilhões devido à emenda da morte;

9. Colocaram fim à democracia, fazendo justiça seletiva através de Farsa à Jato e aumentando a repressão dos movimentos sociais. Índios, sem terra e outras minorias políticas morrem como moscas;

10. Destruíram as leis do trabalho e, juntamente com elas desmantelaram o mercado de trabalho e os rendimentos. Existem 27.585 milhões de trabalhadores subutilizados (desempregados, subempregados, desanimados ou inativos por falta de condições) e 12.575 milhões de trabalhadores desempregados;

11. A desigualdade social explodiu com o golpe. Desde que, em 1960, o IBGE começou a recolher informações sobre os rendimentos da população em recenseamentos demográficos, nunca houve um crescimento tão alto em tão pouco tempo. Índice de Gini e outros indicadores.

12. O golpe causou o maior impasse econômico na história do Brasil. ၢ existe um registo prévio nas contas nacionais de cinco anos de recessão e / ou estagnação;

13. A década que termina em 2020 pode ser considerada perdida para a indústria. Nos últimos nove anos (2011 a 2019) a perda acumulada é de 15 % na indústria. Após cerca de cinquenta anos, o Brasil está saindo do ranking dos 10 maiores países industriais do mundo;

Se a política é entregar a riqueza nacional, os direitos não podem ser sustentados. Existe uma relação directa entre a soberania e os direitos da população. Mesmo porque parte das conquistas da sociedade custa dinheiro, e é necessário financiá-lo com recursos públicos que, em parte, são cobrados com a riqueza que o país tem.

O pecado dos governos antes do golpe de 2016 foi querer implementar políticas com um mínimo de soberania. Aproximar-se da China e Rússia, através de BRICS, conquistar mercados na América do Sul e África, apostar em empresas nacionais, reviver a indústria da guerra (construção do submarino atômico e outros convencionais, em associação com a França, compra de helicópteros para Rússia e aviões suecos, sempre com transferência de tecnologia), exploração soberana do pré-sal e colocá-lo ao serviço do povo.

Tudo isso fez com que o Brasil tomasse um curso de colisão com os interesses do imperialismo, especialmente o americano. ၢ entender esse processo significa parar de entender o que acontecerá no Brasil nas próximas décadas.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *