Intersul protocola manifesto em defesa da Eletrosul Pública e dos trabalhadores

Compartilhe este conteúdo

Na Eletrosul, os sindicatos que compõem a Intersul realizaram assembleias prolongadas em todas as bases na manhã de terça-feira (17 de julho), passando informes sobre os protesto nacional contra a privatização e outras questões que atingem especificamente os empregados da Eletrosul, entre elas a mudança no pagamento da periculosidade, a indefinição do pagamento da PLR, o sucateamento do Plano de Saúde, assédio gerencial e privatização.

Na sede da empresa, em Florianópolis, os trabalhadores promoveram um ato onde além de se opor à privatização e enfatizar a campanha “Fora Pinto Jr”, a categoria aprovou a entrega de um manifesto à Diretoria da Eletrosul, que também foi aprovado em diversas assembleias nas demais áreas da empresa.

Leia abaixo o manifesto

Aos Diretores da Eletrosul e todos os seus gerentes:

No dia de hoje, os trabalhadores de toda a Eletrobras estão mobilizados em um Dia de Luta contra a privatização e resistência aos ataques às conquistas da categoria. Os trabalhadores da Eletrosul também então mobilizados, cientes de seu reconhecimento por toda a categoria como uma das referências na atual luta contra a privatização de nossas empresas, com as ações contra a alteração do estatuto da empresa e recentemente com a expressão de repúdio e indignação ao presidente Pinto Jr.

A mobilização da categoria, dos sindicatos, dos movimentos sociais e das frentes parlamentares foi fundamental para a vitória parcial contra a privatização da Eletrobras, que teve sua suspensão anunciada pelo Presidente da Câmara dos Deputados. Continuam, porém, as tentativas de venda por valores criminosamente baixos das empresas distribuidoras e das SPEs, que custaram muito trabalho dos eletricitários e investimentos da sociedade.

Sabemos que a sanha privatista não se limita a tentativa do governo de entrega do controle acionário da Eletrobras, mas se manifesta também no cotidiano das empresas, através do comportamento sabujo dos presidentes, diretores e gerentes que vergonhosamente, em troca de algumas moedas, se colocam à disposição dos privatistas para retirar nossos direitos e conquistas históricas, cassar e extinguir qualquer benefício que os Eletricitários têm, com o único objetivo de aumentar as taxas de lucro da empresa, tornando-as as mais parecidas possíveis com as empresas privadas, para que aqueles que querem comprar nossas empresas, não precisem se “incomodar” ao concretizar o negócio.

Não aceitaremos calados esta agenda privatista e regressiva que estão tentando nos impor, por isso EXIGIMOS da direção da Eletrosul:

A IMEDIATA SUSPENSÃO DA MUDANÇA NA SISTEMÁTICA DO PAGAMENTO DE PERICULOSIDADE, que está sendo feita de maneira ilegal e criminosa, por descumprir o ACT vigente e se basear em laudos inconsistentes e, em muitos casos, obtidos após constrangimento dos trabalhadores, além de estabelecer um cenário de aumento de risco de acidentes de trabalho;

O IMEDIADO PAGAMENTO DA PLR 2017, cumprindo assim a obrigação da empresa firmado em acordo, tal como os trabalhadores cumpriram sua parte ao atingir todas as metas estabelecidas;

A SUSPENSÃO DO SUCATEAMENTO DO PLANO DE SAÚDE ELETROSUL, de modo que as tabelas de valores praticadas sejam corretamente atualizadas e que novos profissionais continuem sendo cadastrados;

A SUSPENSAO DA IMPLANTAÇÃO DO CSC, devido à total confusão e quantidade de equívocos que permeiam este processo, frutos do completo descaso com os profissionais da empresa. Além disso, o absoluto descompasso entre as diversas empresas Eletrobras deixa evidente o risco de desestruturação completa das atividades hoje realizadas, o que trará enormes prejuízos para a empresa, o que é exatamente contrário ao anunciado como resultado esperado.

TRANSPARÊNCIA NO PROCESSO DE FUSÃO DA ELETROSUL COM A CGTEE, com a divulgação ampla de informações sobre o processo, suas etapas e impactos, além da abertura para participação ativa e democrática dos trabalhadores, de modo que estes não sejam meros expectadores de seus destinos;

A RESPONSABILIZAÇÃO E IMEDIATA DESTITUIÇÃO DO CARGO DE GERENTE DAQUELES QUE ASSEDIAM OS TRABALHADORES, práticas essas que aumentam os riscos de acidente de trabalho e diminuem a produtividade, conceito tão caro à direção da empresa;

Por fim, exigimos O POSICIONAMENTO CLARO E OBJETIVO DOS DIRETORES DA ELETROSUL QUANTO À PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRAS, pois se têm coragem para participar das ações que prejudicam milhares de famílias, que também a tenham para assumir sua verdadeira face e arcar com as consequências!

FORA Pinto Jr e FORA TODOS AQUELES QUE CUMPREM SUAS ORDENS!

Viva a Eletrosul!

Viva a Eletrobras! Viva os Eletricitários!

ENERGIA NÃO É MERCADORIA! Intersindical dos Eletricitários do Sul do Brasil

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *