Entrevista com candidatos à DCL

Compartilhe este conteúdo

Equipe do Linha Viva entrevista candidatos à Diretoria Comercial, questionando sobre propostas, direitos dos trabalhadores e manutenção da Celesc Pública

Na próxima segunda e terça-feira, dias 03 e 04 de setembro, os trabalhadores da Celesc elegerão um novo Diretor Comercial. Conquistada pelos trabalhadores em uma luta da Intercel, a oportunidade de eleger um trabalhador da empresa para um cargo na Direção é experiência única no setor elétrico nacional.

Com a orientação da categoria de não apoiar candidatos, a Intercel, através do Jornal Linha Viva, buscou ouvir as propostas e compromissos dos 3 candidatos neste pleito, destacando os assuntos de
maior interesse da categoria, como as necessidades da área comercial, o respeito aos direitos dos trabalhadores e a manutenção da Celesc Pública. Com isso, esperamos auxiliar os trabalhadores
a elegerem uma representação compromissada com a nossa luta.

ANTÔNIO LINHARES

Linha Viva – Qual o papel da Diretoria Comercial no pro­cesso de atingimento das metas para a manutenção da concessão da Celesc e como o senhor pode contribuir neste processo?

Antônio Linhares – O Plano de Resultados firmado com a ANEEL se mostra como uma importante ferramenta de gestão interna e de interação com a ANEEL para o alcan­ce das metas da concessão. O plano está dividido em ações da área técnica, comercial e segurança do trabalho, além de acompanhamento das metas de sustentabilidade econômico­-financeira. Dentre as 97 ações do plano de resultados, 33 envolvem a área comercial, sendo fundamental o envolvi­mento do Diretor Comercial neste processo para que pos­samos alcançar os resultados planejados. Embora as metas de qualidade dos serviços estejam sendo aferidas por meio dos indicadores DEC e FEC, algumas ações da área comercial contribuem significativamente para os resultados, como por exemplo: Fortalecimento da Ouvidoria e Melhorias no Aten­dimento Telefônico (Customização da URA): um atendimento mais célere e eficiente contribui para a otimização nos des­pachos de ocorrências, diminuindo assim o indicador DEC;

Além das ações focadas na manutenção da concessão, o Plano de Resultados é uma importante ferramenta de apri­moramento de alguns processos, especialmente diante de ações focadas nos prazos de ligação nova com obas; trata­mento de reclamações de consumidores; ressarcimento de danos elétricos, dentre outras. A atenção do Diretor Comer­cial a este plano de ações é fundamental para que possamos avançar em importantes desafios da área comercial exigidos pela ANEEL para a manutenção e nossa concessão. Tenho tido a oportunidade de acompanhar de perto este trabalho como diretor coordenador do Plano de Resultados, de modo que, se eleito diretor comercial, continuarei empenhando os melhores esforços para que possamos concluir com sucesso todos os compromissos assumidos junto a ANEEL. Certamen­te temos muitos outros desafios, como o avanço no combate a inadimplência e às perdas, ainda na evolução de proces­sos relacionados à compra e comercialização de energia, ao atendimento de nossos clientes. Do mesmo modo, enquanto Diretor Comercial trabalharei incansavelmente para o apri­moramento destes processos, buscando recuperar e garantir nossas receitas, atendendo da melhor forma nossos consu­midores.

LV – Na sua visão, qual a maior necessidade da área co­mercial hoje? Onde é fundamental investir e trabalhar?

AL – A Celesc nos últimos anos vem passando por dificul­dades de fluxo de caixa, e os motivos são os mais diversos possíveis. Portando, a Diretoria Comercial precisa urgen­temente resolver dois problemas graves: primeiramente as perdas não técnicas, que hoje estão na ordem de 70 milhões aproximadamente, essa valor vem impactando o caixa da companhia. Investir em tecnologia, em especial em tele­-medição do grupo B, nos principais consumidores. A título exemplificativo, pequenos comércios, padaria e empresas de pescados, evitando as fraudes. Investir na primarização da fiscalização para evitarmos os chamados gatos. Treinarmos nossas equipes de fiscalizações, e automatizar os Boletins de Ocorrência, bem como interagir com a área jurídica.

Em segundo, o estoque da dívida de aproximadamente 680 milhões de reais. Precisamos analisar esse valor, e veri­ficar realmente as possibilidades de cobrança, fazer acordos administrativos ou nos processo judiciais e entrar com ações de cobrança.

Além disso, existem vários processos na Diretoria Comer­cial importantes e estratégicos. Porém, um que chama mui­to a atenção, é a compra de energia, nossa maior despesa e qualquer erro, pode comprometer a saúde financeira da em­presa. Precisamos reforçar a equipe e investir em treinamen­tos. Poderia citar outros desafios, mas esses são os de curto espaço de tempo, com reflexo direto no caixa.

LV – O cenário nacional tem colocado os direitos dos tra­balhadores em constante ameaça e as últimas negociações coletivas têm apresentado dificuldades. Diante de uma Dire­toria Colegiada, qual será sua posição sobre os direitos dos celesquianos?

AL – O slogan da minha campanha já responde com muita firmeza esta pergunta, e nas minhas falas nas regionais e departamentos da Administração Central tenho reafirmado meu compromisso da manutenção das nossas conquistas históricas.

LV – O discurso de privatização voltou à tona nos últimos anos e ganhou mais força ainda neste momento de eleições. Se eleito o senhor assumirá em um cenário bastante agres­sivo contra as empresas públicas, e será necessária uma articulação política bastante intensa para lutar contra essa conjuntura. Como o senhor pretende atuar na defesa da Ce­lesc Pública?

AL – Na minha campanha tenho argumentado que por idealismo e convicção sou um defensor da Celesc Pública, porque entendo que só uma empresa publica, pode continuar a desenvolver o nosso Estado, considerado o mais eficiente pelo no ranking da Folha de São Paulo. Pretendo, é claro, com os celesquianos, defender a Celesc pública com cinco pilares:

a – se eleito for, com o meu voto na Diretoria Colegiada, fundamentado nos meus conhecimentos jurídicos, barrar qual quer processo de privatização que iniciar na diretoria;

b – a mobilização dos celesquianos, através dos seus sindi­catos na defesa da Celesc Pública;

c – sociedade catarinense, é extremamente importante nesse processo, precisamos trabalhar e informar corretamen­te a sociedade dos benefícios de ser publica e os riscos da privatização para o cidadão catarinense;

d- Mobilizar os setores políticos contrários à privatiza­ção. Privatizar é uma decisão politica, e portanto, temos que também interagir com esses setores que defendem a Celesc Pública.

e – juridicamente defender a manutenção da redação do o Art. 13, § 4º. Da Constituição Estadual, que regulamenta a necessidade de aprovação legislativa da alienação da Celesc H e D e posteriormente a consulta popular aos catarinenses.

Temos mecanismos de proteção já citados e precisaremos de união dos Celesquianos na defesa da Celesc Publica.

 

JERRY CONCEIÇÃO

Linha Viva – Qual o papel da Diretoria Comercial no processo de atingimento das metas para a manutenção da concessão da Celesc e como o senhor pode contribuir neste processo?

Jerry Conceição – Toda CELESC tem o foco na renovação da concessão, na Diretoria Comercial não pode ser diferen­te, temos que garantir eficiência técnica no cumprimento das metas de DEC e FEC e melhorar faturamento da em­presa.

– Rever os procedimentos de cobrança da inadimplência

– Rever os procedimento de combate a fraude.

– Aplicação das leis e Regulamentações do Orgão Re­gulador;

– Atendimento aos consumidores 24 horas dentro da normativa em todo estado;

– Efetuar controles de fiscalização com quadro próprio.

-Estudar a possibilidade de Leitura simultânea ser reali­zada por trabalhadores do quadro próprio;

São ações que visam aumento no faturamento da empre­sa, dando oxigenação a saúde financeira da empresa que é fundamental para sobrevivência da Celesc na busca da renovação da concessão.

LV – Na sua visão, qual a maior necessidade da área co­mercial hoje? Onde é fundamental investir e trabalhar?

JC – No combate a Fraude e Inadimplência, temos uma boa parcela para melhorar na arrecadação da empresa, pre­cisamos rever a forma de cobrança e combate a fraude, é preciso rever a forma de como estamos fazendo e como podemos melhorar para obter melhores resultados, não sou a favor da terceirização da fiscalização de fraude , acredi­to que com empregado do quadro próprio podemos obter melhores resultados. Na Inadimplência temos que rever as ações de cobrança, os processos que dão direito aos consu­midores o direito ao Não corte, por quanto tempo prescreve uma dívida de inadimplência.

LV – O cenário nacional tem colocado os direitos dos tra­balhadores em constante ameaça e as últimas negociações coletivas têm apresentado dificuldades. Diante de uma Di­retoria Colegiada, qual será sua posição sobre os direitos dos celesquianos?

JC – Minha postura como Diretor Comercial na direto­ria colegiada, é em defesa dos direitos dos trabalhadores, não justifica retirada de direito dos trabalhadores em uma empresa onde a inadimplência e as perdas não-técnicas de energia são altas. Sempre vou ser a favor dos empregados, há outras formas de buscar lucratividade sem precisar re­tirar direitos conquistados. Nos últimos anos tiveram algu­mas perdas, entre elas o congelamento do PCS, um novo plano previdenciário, segregação de direitos como anuênio.

LV – O discurso de privatização voltou à tona nos últi­mos anos e ganhou mais força ainda neste momento de eleições. Se eleito o senhor assumirá em um cenário bas­tante agressivo contra as empresas públicas, e será neces­sária uma articulação política bastante intensa para lutar contra essa conjuntura. Como o senhor pretende atuar na defesa da Celesc Pública?

JC – Sempre vou defender a CELESC como empresa pu­blica com uma gestão técnica, articulação politica na em­presa deve ser feita de forma transparente visando com­prometimento dos governantes com a CELESC publica e eficiente, garantindo o desenvolvimento do estado.

A missão em defender a empresa nos ataques contra a privatização é uma tarefa de todos, inclusive dos sindicatos com mobilização dos trabalhadores quando se fazer neces­sário, por isso da importância de ter um Diretor eleito pelos trabalhadores sem vinculo partidário.

 

CLAUDIO VARELLA

Linha Viva – Qual o papel da Diretoria Comercial no processo de atingimento das metas para a ma­nutenção da concessão da Celesc e como o senhor pode contribuir neste processo?

Cláudio Varella – Investir na fiscalização para redução das perdas comerciais é sem dúvida uma das maiores ações que teremos a frente da dire­toria. Cobrar e orientar nossos clientes, trabalhar com afinco na redução da inadimplência serão as prioridades da Diretoria Comercial. Garantir um bom atendimento aos clientes, fazer uma boa ges­tão dos contratos de compra de energia, garantir a faturamento correto mediante equipamentos de medição confiáveis.

LV – Na sua visão, qual a maior necessidade da área comercial hoje? Onde é fundamental investir e trabalhar?

CV – Como disse anteriormente, investir na re­dução das perdas comerciais é importantíssimo. Entendo que é necessário investir em atendimento presencial de qualidade, capacitando nossos aten­dentes, estudando, simplificando e aprimorando os processos para melhorar o relacionamento e au­mentar a satisfação dos nossos clientes. Investir no Contact Center com tecnologias atuais é nosso objetivo, também.

LV – O cenário nacional tem colocado os direi­tos dos trabalhadores em constante ameaça e as últimas negociações coletivas têm apresentado dificuldades. Diante de uma Diretoria Colegiada, qual será sua posição sobre os direitos dos celes­quianos?

CV – Sou celesquiano há mais de 30 anos, e como tal sempre será minha bandeira a manutenção dos direitos conquistados. Inclusive neste pleito en­frentei uma luta muito grande para manter o direi­to de todos. Porque hoje sou eu que estou lutando contra o sistema, mas amanhã poderá ser qualquer um de nós. Não tenham dúvida que direito con­quistado será defendido por mim na diretoria co­legiada.

LV – O discurso de privatização voltou à tona nos últimos anos e ganhou mais força ainda neste momento de eleições. Se eleito o senhor assumirá em um cenário bastante agressivo contra as em­presas públicas, e será necessária uma articulação política bastante intensa para lutar contra essa conjuntura. Como o senhor pretende atuar na de­fesa da Celesc Pública?

CV – Primeiramente é preciso deixar claro que seremos atingidos por esta onda se não fizermos o dever de casa. Tenho certeza que minha gestão será pautada por dar todas as condições necessá­rias para que o empregado faça o que ele já sabe fazer. Um trabalho de qualidade, bem feito, com um bom atendimento. Hoje faltam muitas coisas, muitas ferramentas para que isso aconteça.

Sei que terei condições de interagir com a clas­se política, demonstrando todo o potencial desta grande empresa. E se preciso for, chamarei todos a luta. Minha luta sempre será por uma Celesc pú­blica e eficiente.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *