#JUSTIÇAPORMOÏSE

Compartilhe este conteúdo

Linha Viva reproduz Nota Oficial da G.R.E.S. Portela sobre o covarde assassinato do trabalhador Moïse Kabagambe, de
24 anos, ocorrido na orla do Rio de Janeiro, no dia 24 de janeiro. De acordo com sua família, Moïse foi assassinado no
momento em que foi cobrar do patrão o pagamento por dias trabalhados e, até então, não pagos a ele.

“O G.R.E.S. Portela entende que o papel de uma escola de samba não pode ser apenas fomentar a cultura e promover
entretenimento. Como braço da Sociedade Civil, cabe às agremiações carnavalescas ajudar na expansão da cidadania, especialmente para quem vive em suas comunidades imediatas. Da mesma forma, um enredo não pode ser apenas um mote para a produção de alegorias e fantasias, pois é fundamental passar uma mensagem que, além da relevância cultural, inspire, por exemplo, a descoberta da própria identidade.

Ao escolher um enredo sobre os Baobás, reforçamos nossas raízes africanas, redescobrindo os caminhos que nos trouxeram até aqui. Evocamos nossa ancestralidade, a energia de nossos antepassados que, num tempo cada vez mais distante, após atravessarem o oceano, ensinaram para seus descendentes os valores, os costumes e, mesmo acorrentados, o movimento de seus corpos, que um dia se libertaram dos grilhões e dançaram samba. E é por isso que hoje estamos aqui, como o legado dos escravizados, o resultado dos esforços de seus filhos e netos, que são nossos fundadores.

Moïse Kabagambe era africano. Moïse Kabagambe era morador de Madureira. Moïse Kabagambe foi estudante do Colégio Estadual Compositor Maneceia José de Andrade, que leva o nome de um dos nossos baluartes. O G.R.E.S. Portela entende ser necessário, tendo como pilares o peso de nossa história e a representatividade que conquistamos para a cultura popular do Rio de Janeiro, que unamos nossa voz ao grito uníssono que repudia os atos violentos que levaram ao brutal assassinato deste jovem Devemos isso aos povos africanos, que homenageamos no enredo de 2022, e a todos os negros que, um dia, construíram nossa escola, e que no presente mantém pulsando a nossa essência.
Clamamos por um mundo em que o racismo deixe de se manifestar nas estatísticas de assassinatos, e que a vida humana seja respeitada como princípio fundamental em nossas relações sociais.

Por Moïse Kabagambe. Por todos os congoleses, angolanos e nigerianos que desfilam na Portela. Por todos os negros que nos mantêm conectados ao que realmente somos. E jamais podemos deixar de ser. Quem tenta acorrentar um sentimento Esquece que ser livre é fundamento Matiz suburbano, herança de preto Coragem no medo!!

G.R.E.S. Portela”

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *