Ouvir as pessoas: governador defende Celesc pública e afirma que gestão tem que ouvir os trabalhadores

Compartilhe este conteúdo

Carlos Moisés da Silva discursou nesta quarta-feira (9) em ato realizado na sede da empresa e transmitido a todas as Agências Regionais

As primeiras palavras de Carlos Moisés da Silva, governador de Santa Catarina, aos trabalhadores da Celesc eram aguardadas com expectativa e curiosidade. Afinal de contas, desde sua rápida ascensão até a acachapante vitória na eleição de 2018, Poucas palavras foram destinadas aos celesquianos. Em meio a um cenário nacional que defende as privatizações, os trabalhadores queriam ouvir de Moisés seus planos para a maior estatal catarinense.

Nesta quarta-feira, dia 9, o governador enfim falou aos celesquianos. Em ato realizado na sede da empresa e transmitido a todas as Agências Regionais, a visita do governador serviu para apresentar a nova diretoria, o presidente e as premissas desta nova gestão aos empregados.

Indicado à presidência e empossado pelo Conselho de Administração ainda em dezembro de 2018, Cleicio Poleto Martins focou o discurso na necessidade de dar continuidade ao processo de atingimento de metas da concessão, parabenizando os trabalhadores pelo serviço realizado até o momento.

O presidente afirmou que o foco deve ser a manutenção da concessão da Celesc, a satisfação dos consumidores e o avanço na geração, transmissão e novos negócios, fortalecendo ainda a distribuição de energia. Ao terminar a sua fala, Cleicio Poleto disse acreditar em uma Celesc pública e de qualidade, que será construída ouvindo a sociedade, os sindicatos e os empregados.

O Governador afirmou que há um novo momento em Santa Catarina e que a empresa tem grandes desafios, acompanhando os movimentos do novo Governo do Estado. Retomando as cobranças de compromisso contra a privatização da Celesc durante a campanha, Moisés afirmou que o Estado tem muito a crescer com a empresa, que é fundamental para a aplicação de políticas públicas.

O governador também deu ênfase ao processo de ouvir as pessoas. “É preciso ter humildade para conversar com os empregados”, afirmou. O diálogo sempre foi o caminho para a construção de uma Celesc pública que respeite seus trabalhadores e atenda a sociedade com qualidade.

Os sindicatos da Intercel sempre estiveram dispostos ao debate franco, já tendo agendada uma reunião com o Presidente da empresa, Cleicio Poleto Martins, para o dia 7 de fevereiro. Receber as entidades sindicais que têm histórico de luta e, principalmente, construíram o modelo de gestão participativa premiado pela sociedade é fundamental para que a Celesc mantenha seu papel de motor do desenvolvimento do Estado.

Da mesma forma, é preciso que o governador do Estado se proponha ao diálogo com a representação legítima dos celesquianos e receba os sindicatos para conhecer a história de luta dos trabalhadores que impulsionou a Celesc a ser referência no setor elétrico nacional com reconhecimento da própria população catarinense.



É preciso que o Governador do Estado se proponha ao diálogo com a representação legítima dos celesquianos e receba os sindicatos para conhecer a história de luta dos trabalhadores que impulsionou a Celesc a ser referência no setor elétrico nacional.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhe este conteúdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *