Nos idos de 1968

Compartilhe este conteúdo
Cavalaria da polícia avança sobre estudantes que realizavam missa pela morte do estudante Edson Luís, em 1968. “Esse dia foi um massacre total”, relembra o fotógrafo.

2018 marca os 50 anos do movimento de 1968, que teve seu apogeu no maio de 68, na França, e tornou-se ícone de uma época onde a renovação dos valores veio acompanhada pela proeminente força de uma cultura jovem. A liberação sexual, a Guerra no Vietnã, os movimentos pela ampliação dos direitos civis compunham toda a pólvora de um barril construído pela fala dos jovens estudantes da época.

Estudante de medicina durante protesto na Cinelândia

Os saudosistas do maio de 1968 o veem como um momento memorável na história da liberdade e dos direitos humanos. Mesmo sem alcançar algum tipo de conquista objetiva, o movimento indicou uma mudança de comportamentos.

As artes, a filosofia e as relações afetivas seriam o espaço de ação de um mundo marcado por mudanças. A explosiva revolta estudantil e operária que mudou para sempre o Ocidente completa 50 anos.

Por exemplo: os trabalhadores franceses realizaram neste ano uma greve geral de várias semanas que desembocou em acordos trabalhistas que representaram um aumento de 35% do salário mínimo.

No Brasil tivemos também nosso 68 e seu apogeu foi a Marcha dos 100 mil, uma manifestação popular contra a Ditadura Militar no Brasil, organizada pelo movimento estudantil. Ela aconteceu em 26 de junho de 1968, na cidade do Rio de Janeiro, e contou coma participação de artistas, intelectuais e outros setores da sociedade brasileira.

Imagem emblemática de João da Baiana, Clementina de Jesus, Pixinguinha e Donga durante a Passeata dos Cem Mil contra a censura e ditadura militar

Prisões e arbitrariedade eram as marcas da ação do governo militar, relativamente às crescentes manifestações de protesto dos estudantes contra a ditadura que se instalara no país, em 1964.

A repressão policial atingiu seu apogeu no final de março de 1968, com a invasão do restaurante universitário”Calabouço”, onde os estudantes protestavam contra a elevação do preço das refeições. Durante a invasão, o comandante da tropa da PM, aspirante Aloísio Raposo, matou o secundarista Edson Luís de Lima Souto, de 18 anos, com um tiro à queima roupa no peito.

O fato, que comoveu todo o país, serviu para acirrar os ânimos. O fotojornalista Evandro Teixeira que, à época, trabalhava para o Jornal do Brasil, tornou-se o autor das fotos mais representativas da Passeata dos Cem Mil expostas nesta página.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *